Três taças de contendo frutas lindamente dispostas, sobre uma bandeja branca, com duas colheres, numa sobremesa agradável aos olhos e ao paladar.

Aproximação e Nutrição

Três taças de contendo frutas lindamente dispostas, sobre uma bandeja branca, com duas colheres, numa sobremesa agradável aos olhos e ao paladar.Espiritualmente, estamos atravessando uma fase muito importante e única, da qual a grande maioria das pessoas não se dá conta.

Já comentamos anteriormente que o nosso planeta está passando de ano, como consciência planetária. Ou seja, a consciência que sustenta a existência desse sistema maravilhoso que abriga todo esse mundo mineral, vegetal, animal, humano e imaterial que reconhecemos como Terra já cumpriu todas as matérias que tinha que aprender da sua fase anterior, e agora está começando a se preparar para novos aprendizados, como um adolescente que termina o colegial e ingressa na faculdade.

Para um jovem essa transição é cheia de atribulações, porque em um curto espaço de tempo ele tem que lidar com uma série de transformações, como mudar de cidade, novos amigos, maneiras diferentes de ser tratado pelos professores, exigências maiores, maiores responsabilidades e maior liberdade de ação e maior autonomia. Podemos imaginar que algo análogo deve acontecer para essa consciência planetária, e se a base da existência desse planeta sofre atribulações, o mesmo acontece com tudo o que essa consciência sustenta, que no caso somos nós.

Isso é muito, mas muito mesmo,  menos assustador do que parece, porque o Universo não dá ponto sem nó. Isso na verdade é uma grande oportunidade.

Nós estamos vivendo em um terreno propício para o aprendizado, e nada mais coerente do que um terreno fértil ser atraente para os agricultores. No nosso caso, nosso planeta atraiu para esse momento uma gama imensa de professores.

Nunca, em toda a nossa história como humanidade, tivemos tantos seres iluminados trabalhando incansavelmente para nos ajudar.

Quando olhamos para o nosso mundo externo, podemos achar essa afirmação muito estranha, porque parece exatamente o contrário, mas essa afirmação é uma verdade muito real.

Nosso conceito de ser ajudado é que está precisando ser ajustado. Todos esses grandes professores trabalham para nos ajudar, o tempo todo, em todos os lugares, mas trabalham para nos ajudar de verdade. E isso implica em não fazerem o nosso trabalho por nós, mas sim supervisionar a nossa execução, orientando a realização das tarefas para que ela tenha o melhor resultado possível.

E eles também não interferem no nosso livre-arbítrio, que é o nosso poder criador, a nossa marca registrada como seres à imagem e semelhança do Criador, e por mais que aconselhem nunca vão nos forçar a estudar se não quisermos.

É aqui que entra o nosso papel nessa peça, porque temos que fazer escolhas. Se esses professores estão dispostos a virem até nós para nos dar aulas particulares, para que nos preparemos para as provas finais, nós temos a responsabilidade de assistir às aulas e fazer os deveres de casa.

No que concentramos o nosso tempo? Estamos nos nutrindo com informações evolutivas, que nos auxiliam a descobrirmos quem realmente somos e o que viemos desempenhar aqui na Terra? Ou estamos nos deixando hipnotizar por tantos meios que as forças involutivas embrenharam em todos os cantos das nossas cidades e casas para que percamos nossas oportunidades?

Em contrapartida, nunca antes foi tão fácil encontrar informações, disponíveis aqui no mundo material, facilmente lidas, e às vezes até ouvidas e assistidas, com nossos olhos materiais, disponíveis para todos, muitas vezes gratuitamente. Coisas que iogues de algumas centenas de anos atrás dariam um olho e uma perna para conhecer.

Somos o que comemos. Isso é uma coisa que todos entendem, no que se relaciona à nutrição do corpo físico, e todos entendem que comer alimentos saudáveis resultará em corpos saudáveis.

Nossa nutrição, no entanto, vai muito além da simples escolha dos alimentos materiais, que constroem o corpo físico. Não podemos mais ignorar as escolhas que fazemos dos alimentos que constroem nossas mentes e emoções.

O comum é entupirmos nossas mentes e emoções com junk food, e justamente num período em que dispomos de literalmente milhões de consciências iluminadas dispostas a nos dar maná, néctar e ambrosia, bastando para isso apenas que o desejemos. Tudo o que temos que fazer é pedir por eles a todo o momento, muitas e muitas vezes por dia, de forma constante e persistente. Sempre, em todas as circunstâncias, onde quer que estivermos, quando pedirmos por esses alimentos, seremos atendidos, e podemos então começar a experienciar a diferença dos resultados que eles nos trazem.

Um comentário para “Aproximação e Nutrição”

  1. Lili

    Dan, muito oportuna essa reflexão pra mim. De fato, em algum momento da vida paramos pra pensar sobre nossas escolhas, o q queremos, o q estamos fazendo aqui? Não é tarefa simples.
    Tem horas q parece q as coisas acontecem por acontecer, por seguirem um fluxo… e perceber isso, de certa forma, me angustia – temos q tomar as redeas da vida!
    Tens alguma sugestão de leitura/pesquisa pra trabalhar isso?
    Obrigada! Beijos, Lili

    Responder

Deixar uma resposta a Lili

  • (will not be published)

XHTML: Pode usar estas marcas: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>