Monte Sião visto a partir do Monte das Oliveiras, em Jerusalém

Sião

Monte Sião visto a partir do Monte das Oliveiras, em Jerusalém

Quando estamos completamente envolvidos em nossas ilusões, nos distanciamos do nosso verdadeiro Eu, daquilo que nos forma, nos compõe, e nos traz sentimentos de paz e alegria.

E esse distanciamento não é individual. Estamos coletivamente afastados desse centro, que, apesar de ser uma suntuosa montanha, atualmente nos parece um pontinho perdido no horizonte. Apesar de algo nos atrair para aquele local, preferimos usar como referência aquilo que está mais próximo de nós, que no nosso caso acaba sendo os nossos colegas de viagem, e assim nossos parâmetros de comportamento acabam se tornando aquilo que é feito pelo grupo.

Esses parâmetros são muitas vezes cruéis e daninhos, mas se tornam tão habituais que conduzem nossas atitudes sem sequer refletirmos sobre o que está acontecendo. Até mesmo acontecimentos inerentemente puros e renovadores são contaminados por essas formas de pensamento, como o nascimento de uma criança.

Nada mais representativo de alegria e renovação que uma criança recém-nascida. No entanto, esses sentimentos ficam em segundo ou terceiro plano se o surgimento desse serzinho ocorre desafiando certos padrões de pensamento. Supostamente, o perfeito acontece quando a gestação é planejada, atendendo a todos os pré-requisitos estabelecidos pelos pais, que muitas vezes se desesperam quando essa época determinada chega e a natureza se nega a entregar aquilo que acham que lhes é de mérito. E, ao invés de buscar uma compreensão real do que está acontecendo, investem contra essa suposta barreira da natureza buscando tratamentos violentos, procurando moldar a natureza às suas expectativas.

Por vezes, a natureza não se deixa oprimir, apesar de todos os sofrimentos auto-impostos. Outras vezes,  a tão esperada gestação acontece, e os pais então têm que enfrentar a realidade que aquela criança simplesmente não é aquilo que esperavam dela, como, aliás, todos os pais fazem, mas com o agravante que a quantidade de expectativas criada foi multiplicada muitas vezes durante todo o processo.

Ou então as gravidezes acontecem quando não eram desejadas, e surgem então pilhas e pilhas de preocupações. Se a mãe for adolescente, então, a criança em formação ainda tem que enfrentar todos os sentimentos negativos frequentemente resultantes de todos os orgulhos feridos e supostas posturas que a família teria que ostentar perante a sociedade.

É claro que a possibilidade de desfrutar da vida sexual e ao mesmo tempo poder determinar a possibilidade ou não de uma gestação é bem-vinda e muito útil, e não é isso que está sendo debatido. O ponto em questão é que criamos tantos conceitos de como essas coisas deveriam acontecer que muitas vezes esquecemos do principal componente de tudo isso, que é o bebê.

Mesmo tendo seus corpos em formação, temos que ter claro que eles são consciências já desenvolvidas, e que têm total percepção de tudo que está acontecendo, mesmo que conscientemente não se lembrem disso depois de nascidos no mundo físico. Frequentemente se testemunha as alterações expressadas através da mãe, seja em alterações emocionais, de preferências e de comportamentos, causadas pela criança ainda dentro do útero, e que depois se verifica que correspondem às preferências e maneiras de agir da criança.

E quantas mães confessam, sempre com uma carga de culpa, que passaram toda a gestação sem sequer atentar ao que estava ocorrendo dentro delas mesmas, gestando os próprios filhos. O que elas estavam fazendo? Estavam atendendo ao seu mundo de ilusões mentais, e deixando passar a realidade patente.

O Monte Sião é um símbolo muito interessante, porque sintetiza tudo aquilo que aquela montanha do início da nossa conversa representa. Refere-se a Jerusalém, e representa o retorno ao lar, e também o ponto de onde surge toda a realidade, e um local de unidade, paz e liberdade. Quando abordamos a questão do nosso envolvimento com as nossas ilusões e miragens, o fazemos porque são coisas realmente perversas, capazes de deturpar até aquilo que é o anátema da relação de amor incondicional, a relação entre a mãe e o filho. No entanto, o que não pode nos escapar é que a força dessas ilusões e miragens somente surge porque nós investimos nelas, individual e coletivamente, e, portanto, podemos também acabar com ela.

Para isso, temos que nos dedicar a retornar à nossa real origem, que é a nossa alma. Toda jornada começa com o primeiro passo, e o nosso Monte Sião, na realidade, se encontra muito mais próximo do que aparenta.

 

Nota: O filho da cantora recebeu o nome de Zion, que é como se pronuncia Sião em inglês.

To Zion
Lauryn Hill

Unsure of what the balance held
I touched my belly overwhelmed
By what I had been chosen to perform
But then an angel came one day
Told me to kneel down and pray
For unto me a man child would be born
Woe this crazy circumstance
I knew his life deserved a chance
But everybody told me to be smart
Look at your career they said,
“Lauryn, baby use your head”
But instead I chose to use my heart

Now the joy of my world is in Zion
Now the joy of my world is in Zion

How beautiful if nothing more
Than to wait at Zion’s door
I’ve never been in love like this before
Now let me pray to keep you from
The perils that will surely come
See life for you my prince has just begun
And I thank you for choosing me
To come through unto life to be
A beautiful reflection of his grace
See I know that a gift so great
Is only one God could create
And I’m reminded every time I see your face

That the joy of my world is in Zion
Now the joy of my world is in Zion
Now the joy of my world is in Zion
Now the joy of my world is in Zion

Marching, marching, marching to Zion
Marching, marching
Marching, marching, marching to Zion
Beautiful, beautiful Zion

 

Para Zion
Lauryin Hill

Incerta de qual seria o saldo
Eu toquei meu ventre, desconsolada
Pelo que eu tinha sido escolhida para realizar
Mas então um anjo desceu um dia
Ordenou que eu me ajoelhasse e orasse
Pois através de mim um menino nasceria
Lamento essa situação maluca
Eu sabia que sua vida merecia uma chance
Mas todo mundo falou para eu me ligar
Olha pra sua carreira, eles diziam
“Lauryn, querida, use sua cabeça”
Ao invés, eu usei meu coração

Agora o júbilo do meu mundo está em Zion
Agora o júbilo do meu mundo está em Zion

Tão lindo, se nada mais
Me postar à porta de Zion
Nunca amei dessa forma antes
Agora eu peço que você seja protegido
Dos perigos que com certeza chegarão
Vê, a vida para você mal começou
E eu agradeço por ter me escolhido
Para chegar à vida para ser
Um lindo reflexo da graça Dele
Eu sei que um presente tamanho
Somente Deus poderia criar
E sou lembrada toda vez que vejo seu rosto

Que o júbilo do meu mundo está em Zion
Agora o júbilo do meu mundo está em Zion
Agora o júbilo do meu mundo está em Zion
Agora o júbilo do meu mundo está em Zion

Marchando, marchando, marchando para Zion
Marchando, marchando
Marchando, marchando, marchando para Zion
Lindo, lindo Zion

 

Deixar uma resposta

  • (will not be published)

XHTML: Pode usar estas marcas: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>